Empreendedorismo no Campo, Nosso Motor

Duas questões me parecem muito claras: primeiro, que o campo é, e sempre será, estratégico, fundamental para a nossa existência e para o nosso progresso; e, segundo, que o empreendedorismo é o elemento que impulsiona o desenvolvimento econômico, que nos faz prosperar enquanto sociedade. Com isso em mente, especialmente no caso brasileiro, não resta dúvida que o encontro entre campo e empreendedorismo transforma a vida das pessoas e faz o nosso país avançar.

A população mundial, todos sabem, segue a sua tendência de crescimento acelerado. Em pouco tempo, seremos 8 bilhões de seres humanos, uma marca histórica. E isso nos traz o grande desafio de alimentar de maneira adequada e digna cada um desses 8 bilhões de homens, mulheres e crianças. A propósito, estudos elaborados pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) apontam que a demanda por alimentos aumentará 20% nos próximos dez anos.

Estamos, é evidente, diante de um enorme desafio, mas também de uma enorme oportunidade. O Brasil tem um potencial extraordinário no setor agropecuário. Temos as condições ambientais, com solo fértil e diversificado e clima apropriado para diferentes culturas. Temos gente trabalhadora e preparada, que investe, cria, inova e produz cada dia mais. Temos, portanto, o mais importante e podemos, com as instituições certas e um ambiente de negócios mais amigável, alimentar, com facilidade, 1/4 da população mundial (2 bilhões de pessoas), usando apenas cerca de 2% da superfície terrestre.

Nesse cenário, a figura do empreendedor rural será cada vez mais importante. A disposição para identificar problemas e oportunidades e investir recursos e competências na criação de um negócio, projeto ou movimento, elementos que caracterizam o empreendedorismo, será fundamental para alcançarmos o máximo da nossa capacidade.

Como destaquei acima, temos as terras e temos as pessoas, nos falta um melhor ambiente institucional para os negócios, no qual o empreendedor rural possa explorar todas as suas possibilidades. O Brasil já é um dos grandes produtores mundiais, mas para continuar avançando e prosperar ainda mais é essencial que os nossos governantes não coloquem obstáculos no caminho daqueles que querem empreender, daqueles que querem gerar emprego e renda no nosso país.

E para construir um melhor ambiente para os nossos empreendedores, precisamos de: i) maior segurança jurídica, com leis e tribunais protegendo o cumprimento dos contratos e o direito de propriedade com rigor e eficiência; ii) legislação simples, com um marco legal formado por regras claras, objetivas e impessoais, especialmente em matéria ambiental, tributária, trabalhista e registral; iii) menor burocracia, com procedimentos simples, inteligentes e ágeis, que facilitem a abertura de empreendimentos, a gestão do seu dia-a-dia e o cumprimento das suas obrigações legais; iv) infraestrutura adequada, com diversificação dos modais de transporte, melhores condições das estruturas existentes, amplo acesso à energia elétrica, dentre outras melhorias; e v) ampliação dos mercados, com a manutenção daqueles já conquistados e a conquista de novos, através de negociações e da demonstração das nossas melhores condições de preço e qualidade.

Tenho a mais absoluta convicção de que se formos capazes de oferecer maior segurança jurídica, legislação simples, menor burocracia, infraestrutura adequada e novos mercados o céu é o limite para os nossos empreendedores. Em condições muitas vezes adversas, o empreendedor rural brasileiro já é referência no mundo, imaginem quando o Estado brasileiro não for mais um estorvo nas suas vidas e nos seus bolsos.