Dez razões que fazem do Brasil um "serial killer" de oportunidades

No mercado de ações, utiliza-se a imagem do touro (em inglês, “bull”) e do urso (“bear”) para designar tendências. A primeira pressupõe onda positiva, de valorização e expansão. A segunda, o oposto.

A origem dessas expressões estaria na forma como tais animais atacam. O touro utiliza seus chifres para jogar a vítima para cima. O urso desfere suas patadas em movimento descendente. Em inglês, quando o mercado tenda a subir, está “bullish”; a cair, “bearish”.

Tais noções passaram também a designar o sentimento prevalecente quanto aos rumos de uma economia. Diz-se daquele que enxerga na Argentina boa oportunidade de investimento —apostando na elevada performance daquele mercado ao longo do tempo– ser um “Argentina bull”. Chama-se o contrário de “Argentina bear”.

Fiz há poucas semanas em Nova York uma apresentação a alguns agentes econômicos (bancos de investimento, seguradoras, agências de classificação de risco e empresas industriais) sobre perspectivas do quadro político-econômico brasileiro.

Centrei meus argumentos na tese de que, por mais improvável que possa parecer, o Brasil dispõe —apesar de suas ruínas políticas, fiscais e morais— de considerável chance para dar início a fase positiva de sua trajetória, sobretudo a partir do primeiro trimestre de 2019, quando estiver investido de novo presidente com mandato sacramentado nas urnas.

Os pressupostos dessa perspectiva “bullish” são os de que, no cenário internacional e no âmbito interno, observa-se confluência de fatores favoráveis ao Brasil. Em vez da certeza da “tempestade perfeita”, o Brasil pode virar o jogo e experimentar um dia de “sol perfeito”, como já indiquei nesta coluna.

Grande liquidez internacional, apetite por investimento estrangeiro em projetos de infraestrutura e boas perspectivas para exportações brasileiras são as principais forças a alinharem-se positivamente no cenário externo.

Retomada do crescimento com baixa inflação e juros, melhoria da governança em estatais como Petrobras e Eletrobras, implementação de teto de gastos públicos ao longo do tempo, eleição em 2018 de um líder “pró-mercado” são alguns dos vetores a contribuir no âmbito interno.

Na apresentação que fiz, fui saudado com ceticismo por alguns dos presentes. Gatos escaldados pelo banho gelado que tomaram com diversas experiências passadas em que o país também desperdiçou ventos favoráveis, tive de lidar com genuínos “Brazil bears”.

Dessa conversa, relaciono abaixo dez pontos que constituem a essência daqueles que, não obstante conjunturas propícias, são “pessimistas estruturais” quanto ao Brasil.

Descrença completa no prosseguimento das reformas estruturais
Para os “Brazil bears”, o debate sobre a modernização previdenciária, trabalhista e tributária no país só se dá pela vertiginosa proximidade com o abismo fiscal, e não pelo entendimento de que tais atualizações são imposições de uma sociedade e economia em constante evolução.

Baixa participação do Brasil no comércio internacional
Embora em 2017 o Brasil bata recordes de exportações e superávit comercial, ainda é a economia dentre os quinze maiores PIBs do mundo com o mais baixo (apenas cerca de 20%) percentual de sua riqueza relacionada às trocas internacionais. Baixa competitividade em setores que não o agronegócio impõe um teto rígido a tal percentual.

China tem tanto foco em sua vizinhança que Brasil não é prioridade
Projetos como o OBOR (“One Belt, One Road”) que redesenham a infraestrutura na Eurásia são de tamanha escala que a atenção chinesa relativa a projetos de portos, estradas e ferrovias no Brasil seria comparativamente pequena às necessidades brasileiras. Acrescente-se o mau humor chinês com instabilidades jurídicas e regulatórias que tem pautado o setor de infraestrutura no Brasil.

Corrupção sistêmica sobreviverá à Lava Jato
Estimam que as operações de combate ao capitalismo de compadrio brasileiro são corretivas, mas não redentoras, e que o próprio estamento político emergirá resiliente de tentativas de aprimoramento institucional.

Centro político desidrata e país elegerá populista de um ou outro espectro ideológico
O clima de alta polarização das forças políticas esvazia soluções de compromisso e o centro político —onde só se conseguem visualizar candidatos “tradicionais”, de pouco apelo a um eleitorado que supostamente deseja um “outsider” ou algo “novo”.

Baixo percentual de poupança e investimento como percentual do PIB
Mais do que apenas o resultado de uma realidade imposta pelo elevado custeio da máquina pública ou pelo fardo tributário sobre a livre iniciativa, a propensão “cultural” do Brasil —ao contrário de países asiáticos— para poupar e investir no longo prazo é mínima.

Poucos centros de ensino e pesquisa de classe internacional
O Brasil produz pouca interação empresa-escola. Suas principais universidades apresentam pequena densidade internacional e alimentam-se majoritariamente de orçamentos governamentais. Encontram-se ainda prisioneiras de debates como o de se o ensino superior público deve ser pago.

Investimento irrelevante em inovação como percentual do PIB
No limiar da Quarta Revolução Industrial é caudatário no depósito de patentes na Organização Mundial da Propriedade Intelectual. Destina pouco mais de 1% de seu PIB a pesquisa & desenvolvimento —e mesmo nesse baixo percentual a contribuição do investimento estatal é majoritário.

Disfuncionalidade da estrutura dos três poderes
País tem judiciário lento e caro, legislativo fisiológico e imediatista, executivo inchado e limitado por necessidade de coalizões em ciclos políticos de curta duração. Essa natureza teria obviamente ojeriza à “auto-reforma”.

Saída de talentos para o exterior
Nação alguma pode projetar futuro com tanta gente de qualidade deixando ou pensando em deixar o país.

Ao passar os olhos pelos pontos acima, é difícil não reconhecer que os “Brazil bears” têm motivos de sobra para o ceticismo. E é claro também ser possível relacionar —o que farei na próxima coluna— características a apontar que o Brasil tem muito a favor de uma trajetória ascendente.

Ainda assim, não obstante ciclos bastante favoráveis em diferentes momentos históricos, o Brasil tem sido um “serial killer” de oportunidades. Trabalhemos —e torçamos— para que desta vez seja tudo diferente.

Fonte: “Folha de S. Paulo”, 29/11/2017